Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

acessório indispensável à composição da persona

5 comentários:

Luiz disse...

E essa gatinha de óculos escuros?

Mariana disse...

Luiz, vc aprecia mesmo contos de fadas... A gatinha anda a cuidar da vida :)

Jamil, o blogger mandou seu comentário para o espaço, provavelmente para junto da outra imagem que você comentou. Peço desculpas. Você faria a gentileza de postá-lo novamente? Merci.

Jamil S.P. disse...

Pois é, deve ter ido parar junto à NGC 3621, que me arrebatou com sua beleza deslumbrante.
Ah, não havia dito nada de mais, só que concordo com o título do post. Acrescento agora que gostei também do cabelo :) Como dizia Buffon, o estilo é o homem, e você tem estilo.

Tinzia Menezes disse...

Tá linda, Mari. =*

Mariana disse...

Jamil e Tinzia, obrigada :)

Em algumas fotos, acho que fico bonita, mas depende de inspiração, e de quem está vendo. Esta ficou estilosa.