Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


sábado, 30 de junho de 2012

sábado no rio

O JB, quando ainda circulava na versão impressa, tinha uma coluna ― ou algo similar, pelo menos quando eu ainda lia o jornal ― intitulada “Sábado no Rio”, que eu percorria sem grande curiosidade, mas que me ficou na memória ― pelo menos o título. Na época, eu não podia sonhar que um dia viria morar nesta cidade. O sábado no Rio, conforme apresentado pela simpática coluna, era uma coisa que se passava num reino bem distante, quase em outra galáxia. Tratava-se de uma leitura (ou leitora) pitoresca. Mas, de fato, a grande mestra disso tudo é a memória. Eu teria me esquecido dessa coluna por completo se não tivesse vindo morar no Rio de Janeiro e prestado atenção em seu sábado, por outro ângulo, diga-se. O (meu) sábado no Rio tem pouco a ver com a substância porosa que guardei da leitura da coluna antiga, e foi por contraste que a memória trabalhou. Porque eu sei que é diferente, mas não sei explicar como nem por quê. A memória deu contorno a uma experiência, mas essa experiência é singular. 

relendo grande sertão: veredas (XXIII)

“Às vezes, pedi que ele cantasse para mim os versos, os que eu não esqueci nunca, formal, a canção de Siruiz. Adiante versos. E, quando ouvindo, eu tinha vontade de brincar com eles. Minha mãe, ela era que podia ter cantado para mim aquilo. A brandura de botar para se esquecer uma porção de coisas ― as bestas coisas em que a gente no fazer e no nem pensar vive preso, só por precisão, mas sem fidalguia.”

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. 19. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001, p.260.

paisagem da janela da nova morada

The Band & Friends: I Shall Be Released (de "The Last Waltz")

sexta-feira, 29 de junho de 2012

decantando o dia de hoje...

... reserva de pousada em paraty para a 2ª semana de julho, para mim e uma amiga; saindo de casa com atraso; documento do exame esquecido em casa; horário do exame perdido; remarcação do exame para mais tarde; conclusão de um trabalho; envio de e-mail de trabalho; saída para o exame; tráfego intenso na ayrton senna; parada na etna para comprar uma estante; desistindo de vez da cama box para comprar uma cama charmosa e bem em conta na liquidação da etna; como as coisas vendidas nesta loja são bonitas e tentadoras; conclusão da compra da estante e da cama; saindo em cima da hora para o barra shopping; chegada ao barra shopping para o exame; informação de que confundi o horário do exame (que, pelas evidências, não era mesmo para ser feito hoje); remarcação do exame para amanhã; almoço no barra shopping; aquisição de uma agenda telefônica na saraiva; retorno para a taquara, com quase uma hora de congestionamento e lentidão na altura da cidade de deus (um trânsito de testar a paciência de qualquer motorista), para resolver pendência nas casas bahia; dor de cabeça intensa, pelo dia cheio de coisas a fazer e resolver, em especial o que faltava; pausa para uma long neck com bolinho de bacalhau na taquara, para refrescar o ânimo; rumo das casas bahia, para cancelar a compra da cama com defeito; enfim, home sweet home

quinta-feira, 28 de junho de 2012

fotografia antiga

Como, em tão curto espaço de tempo, alguém pode se sentir tão diferente? Ninguém nasce só uma vez ― nem mesmo a morte detém a unicidade, pois é um completo mistério. Mas é como se ao longo da vida ― e deve-se sublinhar esta palavra, vida ― fosse ocorrendo uma espécie de negociação entre vida e morte: a cada etapa de renovação (renascimento) que uma pessoa experimenta, alguma coisa nela morreu. E por isso, às vezes, a vaga sensação de estranhamento, diante, por exemplo, da imagem que o espelho oferece, ou de uma fotografia que de repente parece antiga.

trash, mas bom

"A banda era maravilhosa, mas tóxica."
(Neil Young, em entrevista à Rolling Stone Brasil) 

quarta-feira, 27 de junho de 2012

extraindo palavras do silêncio

Ontem, em mais uma sessão de análise em que me perguntava, antes, e diante de um trânsito congestionado e desanimador, o que iria dizer, acabei extraindo da vontade de silêncio (diante de um analista essa vontade muitas vezes é imperiosa) a constatação de que saí de uma situação bastante complicada escrevendo  o que não deixa de acordar algumas cositas neste espaço.

que imagem! (cruising to venice by stefano rellandini)

segunda-feira, 25 de junho de 2012

neil young: harvest moon

maria mutema

Como bem disse um professor, o problema é dar (os) ouvidos a Maria Mutema

docência

Não existe ex-professor, assim como não há ex-médico, ex-engenheiro, ex-advogado, no sentido com que usualmente se diz “ex-professor”. O aluno pode se tornar ex-aluno, mas isso não necessariamente remete seus professores à categoria de ex, simplesmente porque o professor, quando foi seu professor, foi por inteiro, e o trabalho feito não se perdeu  a não ser que o aluno nunca, de fato, tenha sido aluno, o que dispensaria, por sua vez, de pensar em ex-aluno. A oração “quando foi seu professor” não pressupõe esta outra, “quando foi professor”: o professor não deixa de ser professor quando o aluno deixa a escola  deixa de ser aluno ―, pois o exercício de sua profissão não se restringe, temporalmente, à vivência que o aluno teve com ela. 

domingo, 24 de junho de 2012

parece arte, algo finamente desenhado (http://www.arik37.com)

arca de babel

Ancelmo Gois relata, em sua coluna de O Globo deste domingo, que um diplomata definiu a Rio+20 como Torre de Noé, em virtude de parecer, pela diversidade dos participantes, uma mistura de Torre de Babel com Arca de Noé. Trocando em miúdos: confusão a bordo da nave-discurso da sustentabilidade, com risco de naufrágio.