Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


sábado, 8 de fevereiro de 2014

Não verás país nenhum

O forte calor que está fazendo há dias faz pensar na atualidade de um livro de 1981, de Inácio de Loyola Brandão, “Não verás país nenhum”, cujo título altera substancialmente o sentido do conhecido verso de Olavo Bilac, “Não verás país nenhum como este.” O tom laudatório cede à imagem apocalíptica de uma terra devastada: não verás país nenhum. E, de fato, alguém está vendo alguma coisa, algum país (nação) a que se sente efetivamente pertencendo? Não, a não ser que consiga chamar de nação uma geografia hostil.

Emily Dickinson

Púrpura – é moda duas vezes –
Nesta época do ano
E quando uma alma se percebe
Como Soberana.


Purple – is fashionable twice –
This season of the year,
And when a soul perceives itself
To be an Emperor.

DICKINSON, Emily. Alguns poemas. Trad. José Lira. São Paulo: Iluminuras, 2008, p.118-119.

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Sebastião Uchoa Leite

INSÔNIA RESPIRATÓRIA

Antes nunca
Ouvira o invisível poema
Do respirar: não
Ouvia nada
Só o silêncio dos órgãos
Mas o segredo da vida
Era isso
Quando ninguém
Se lembra do corpo
Que de fato
É feito da mesma matéria
Do sono

LEITE, Sebastião Uchoa. A uma incógnita. São Paulo: Iluminuras, 2008, p.38.

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Sebastião Uchoa Leite

DUAS OU TRÊS COISAS

É ríspida
Respira o ar amargo
Arisca
Secreta
Nada fala
Xiita do oculto
Tal Emily Dickinson
Dura e pura
Ou insônia crítica
Da língua irônica

LEITE, Sebastião Uchoa. A uma incógnita. São Paulo: Iluminuras, 2008, p.52.

Sebastião Uchoa Leite

FOCOS

Poesia é a sombra
Em guarda atrás de alguém
Ou na frente
Abrindo o caminho
Diminui ou alonga o vulto
Conforme o foco solar
Abre-se ou estreita-se
No jogo hiperrealista
Entre o eu e a margem

LEITE, Sebastião Uchoa. A uma incógnita. São Paulo: Iluminuras, 2008, p.22.

domingo, 2 de fevereiro de 2014

luto

Morre Eduardo Coutinho (PS: um depoimento sobre a última entrevista).

quase invisível

sobre a beatitude (Clarice Lispector)

“A beatitude começa no momento em que o ato de pensar liberou-se da necessidade da forma. A beatitude começa no momento em que o pensar-sentir ultrapassou a necessidade de pensar do autor — este não precisa mais pensar e encontra-se agora perto da grandeza do nada. Poderia dizer do ‘tudo'. Mas ‘tudo’ é quantidade, e quantidade tem limite no seu próprio começo. A verdadeira incomensurabilidade é o nada, que não tem barreiras e é onde uma pessoa pode espraiar seu pensar-sentir.”

Clarice Lispector. Água viva. Rio de Janeiro: Rocco, 1998, p.90.

tudo que alguém consegue ser... sem medo...

ilhas

As pessoas estão disponíveis... para fazer o que elas querem.

esta canção é mesmo muito linda, mais ainda na voz forte-suave de neil young