Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


quinta-feira, 26 de setembro de 2013

aflição moderna

Você está numa fila qualquer, via de regra de supermercado. A pessoa que está atrás de você dá, de repente, o ar de sua presença, através de um leve e inconveniente esbarrão, ou empurrão, suficiente para você sentir a presença física da pessoa e traduzi-la como pressão para andar mais depressa. Mas se você, incomodado com aquele contato súbito e indesejado, cede à pressão, arrisca-se a repetir o mesmo gesto com quem está na frente. Você então move-se um pouco, o suficiente para se proteger da pressão exercida por quem está atrás, mas a pessoa entende então que a fila andou, e anda também, mantendo a pressão para que você continue a andar, a avançar, para que chegue logo ao caixa, passe logo os produtos que veio comprar, pague rápido, porque você mal termina de fazer cada uma dessas etapas e quem está atrás já está ocupando o lugar que você achou que era seu na fila do supermercado. Então é desconfortável saber, sentir, que o lugar ilusório que se ocupa no mundo não é necessariamente a possibilidade de estar em paz, porque parece que ninguém está em paz.

2 comentários:

sonia disse...

São pessoas terrivelmente ansiosas essas que nos pressionam em filas. Deviam se tratar...até parece que vai acontecer uma desgraça se essa infeliz criatura se demorar mais 5 minutos e tomar o cuidado de deixar nosso espaço garantido e não esbarrar na gente. Detesto esses "encostos"...
Outro dia fui vítima disso, aí dei o troco: demorei-me bastante para encher as sacolinhas com as compras só para o gajo perceber que "pimenta nos olhos dos outros é refresco"!

Lunna Guedes disse...

fiquei a imaginar o meu dia a dia em meio a multidão que vai na contramão do meu passo lento. E lembro das caras feias que enfrento quando caminho com as mãos no bolso observando a paisagem... É quando crio meu mundo fantástico e me desconecto dessa gente -, e nem mesmo esbarrando em mim eles afastam isso de mim. rs