Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

sedução, trapaça e rock'n roll

O cinema educa. A televisão, via de regra, vulgariza. Dito isso, devo confessar que a netflix me reconciliou com a rotina de assistir filmes, da qual tinha me apartado desde que me mudei para o Rio, há sete anos. Por que não vou ao cinema morando na cidade maravilhosa? Pela distância, basicamente, o que inclui os percalços do trajeto, digo, do acesso. Em segundo lugar, pelos valores impraticáveis dos ingressos. A isso se soma certa falta de paciência com o público, tanto aquele das grandes redes de cinema abrigadas em shoppings, quanto o outro, em tese mais sofisticado, dito cult, com ar intelectualizado. Nos dois casos, talvez seja mesmo apenas preconceito meu. Ambos conversam durante os filmes, abrem latas de refrigerante, fazem barulho com seus pacotes enormes e caros de pipoca, e isso é o que mais (me) aborrece, porque afinal é um serviço pago, em que o silêncio deveria ser princípio e não regra, e o público que frequenta cinema no Brasil foi educado pela TV.

Então a netflix foi um achado. Aqui cito uma pérola de Paulo Leminski: “podem ficar com a realidade / esse baixo astral / em que tudo entra pelo cano // eu quero viver de verdade / eu fico com o cinema americano”. E com o independente, o iraniano, o francês, o europeu... Qualquer história boa e bem contada, exceto os filmes de terror. Um detalhe interessante: na última sequência de filmes a que assisti, regalia permitida pelas férias, percebi que a trapaça sustenta boa parte dos personagens mais interessantes do cinema. Trapaça, aqui, no sentido de propensão à mentira, aos truques, a uma imaginação que leva-os a convencer e dominar os demais, espectador incluído. É o que se pode observar, por exemplo, no ótimo Headhunters (2012). São sedutores, os trapaceiros.

2 comentários:

Luiz disse...

Adorei. Trapacear é preciso.

Mariana disse...

acabamos de perder um dos mais geniais e maravilhosos

https://www.youtube.com/watch?v=IJSv6JXKS_I