Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


terça-feira, 27 de agosto de 2013

uma nota de humor no fim da tarde

Aconteceu no ponto de ônibus. Que, no Rio de Janeiro, dependendo do bairro, é também ponto das vans. As vans trabalham em geral com um trocador, que vai cantando o destino à medida que passa nos pontos. Por exemplo: “sulacap-taquara-recreio”  a que se costuma acrescentar: “vaga sentado”. Tudo isso prolongando o “o” de sentadooo. Talvez seja impossível reproduzir em palavras o pequeno chiste que o inusitado de uma situação ensejou. Um gari dependurado no carro de coleta de lixo passou no ponto cantando um destino qualquer das vans, não esquecendo a “vaga sentadooo”. Naturalmente se ele, depois de um dia pesado de trabalho, tinha disposição para brincar com os passageiros também cansados que aguardavam no ponto, por que não retribuir? E, de fato, ficou engraçado, algumas pessoas riram, talvez pela surpresa de alguém extrair humor do que comumente é opaco.

2 comentários:

Rodolfo Mattos disse...

É absolutamente cômico esse jeitinho do pessoal do transporte alternativo de chamar atenção. Eu também já passei uma situação que gerou risos do pessoal que estava no ponto. Eis que para uma vã e uma moça olha pra mim, percebe que estou vestindo o uniforme do Colégio Pedro II e grita "Vila Militar-Deodoro-Av. Brasil". Ironicamente perguntei "Aceita RioCard ?" e ela prontamente respondeu que aceitava. Quando mostrei o passe estudantil, a trocadora ficou extremamente sem graça e disse "Esse ainda não", a risada tomou conta do ponto de ônibus. Parabéns pelo blog, professora. Continue escrevendo.

Mariana disse...

Obrigada, Rodolfo. Através desses lances cômicos conhecemos mais de nossa cidade, de uma forma diferente dos jornais.