Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


segunda-feira, 24 de março de 2014

a palavra "desejo"

CHAUÍ, Marilena. Laços do desejo. In: NOVAES, Adauto (Org.). 
O desejo. São Paulo: Companhia das Letras, 1990, p.22-23.

3 comentários:

Jamil P. disse...

interessante;
você tem aí a página onde consta esse asterisco relativo à palavra 'bormê'? não a conheço, procurei nos meus dicionários de grego e latim, nos online e nada encontrei; não parece ser um termo grego ou latino; pesquisei no google e só achei uma referência [duvidosa] neste artigo, p.122 - l.18 http://revistas.pucsp.br/index.php/hypnos/article/viewFile/18010/13374

Mariana disse...

Jamil, o asterisco não remete ao termo em si. Como o termo está em itálico, ampliei o original (escaneado do livro), para tentar ver se se trata da letra b ou h no início: parece h, sendo então hormê, relativo a impulso.

Jamil P. disse...

ah... tá, ok, obrigado!
aqui alguns empregos/significados http://www.perseus.tufts.edu/hopper/text?doc=Perseus:text:1999.04.0058:entry=o)rgh/