Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


quinta-feira, 6 de março de 2014

nome próprio — o próprio nome

Diz o poeta que só o sonho é inevitável. Mas o nome que se tem, dito próprio, também. “Fiz uma breve avaliação de posses e cheguei à conclusão espantosa de que a única coisa que temos que ainda não nos foi tirada: o próprio nome.” (Clarice Lispector, Um sopro de vida). O marcador “ainda” sinaliza uma possibilidade perturbadora. Não somos donos do dia — é o que parece nos sugerir a noite.

2 comentários:

Jamil P. disse...

a morte é inevitável

Mariana disse...

tem razão, e isso me escapou completamente enquanto escrevia, como se estivesse no universo circunscrito à vida (do qual a morte é parte inevitável). quanto à "intenção" do poema, talvez fosse deliberadamente esta.