Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


sábado, 21 de maio de 2011

para lembrar a mim mesma o que posso estar perdendo também

Há cerca de um ano atrás, mais ou menos, postei este texto. Desde então, muita coisa virou e revirou. No entanto, cá estou eu às voltas com o tema:

"O homem não é necessariamente delicado ― daí a urgência de se preservar, na vida social, as condições para a vigência de alguma delicadeza. Erramos ao chamar os atos que nos repugnam de desumanosO homem, não o animal, usa de violência contra seu semelhante. O homem inventou o prazer da crueldade: o animal só mata para sobreviver. O homem destrói o que ama ― pessoas, coisas, lugares, lembranças. Se perguntarem a um homem por que razão ele se permitiu abusar de seu semelhante indefeso, ele dirá: eu fiz porque nada me impediu de fazer. O abuso da força  é um gozo ao qual poucos renunciam. Além disso, o homem é capaz de indiferença, essa forma silenciosa e obscena de brutalidade. O homem atropela o que é mais frágil que ele ― por pressa, avidez, sofreguidão, rivalidade ―, sem perceber que com isso atropela também a si mesmo." 

KEHL, Maria Rita. Delicadeza. In: NOVAES, Adauto (Org.). A condição humana: as aventuras do homem em tempos de mutações. Rio de Janeiro: Agir; São Paulo: Edições SESC, 2009, p. 453.

2 comentários:

sonia disse...

Gosto muito das idéias da Maria Rita Kehl. Ela costumava aparecer no Café Filosófico, na TV Cultura, mas já faz um bom tempo que não se apresenta. Ela se expressa com inteligência e clareza, atributos raros em quem lida com a palavra.

Mariana disse...

O que eu li/assisti dela eu gostei. Especialmente uma conferência, do ciclo anterior a este (promovido pelo Adauto Novaes), uma fala muito interessante, e interessada na questão que expunha.

Apesar de certo tempo de análise, foi nessa conferência que eu entendi o que era o neurótico, numa definição simples e lapidar, e, claro, me reconheci na categoria (algo que eu já sabia, mas reconhecer-se numa narrativa atenua). Isso: a clareza. Ela conhece bem as questões com que lida.