Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Maria Carpi (poema acidentalmente lido na tarde azul)

O desejo do corpo
no corpo, é diáfano
fogo que a água consome.
O desejo do corpo
na alma, é espesso
rosto que a água carrega.

O desejo da alma
na alma, gota
que o fogo retira do mar.
O desejo da alma
no Corpo, labareda
que a água conduz
ao refrigério
da ardente Árvore.

[Revista Poesia Sempre.  Rio de Janeiro, ano 2, n.3, fev. 1994, p.160] 

A tarde talvez fosse azul, / não houvesse tantos desejos.” Quem se lembrou da tarde azul de Drummond no meio da tarde fui eu, depois de ler o inquietante poema de Maria Capri e sair para dar uma volta na Cinelândia, em busca de um sorvete e algumas outras promessas, enquanto esperava o horário da consulta médica. O sorvete eu estava querendo desde cedo. Já o poema veio parar em minhas mãos sem qualquer cálculo, e me fazia compreender que não era tão simples assim equacionar o que estava sentindo. Já pela manhã, na aula de natação, eu havia notado o belo azul do céu, permeado pelo delicado e suave reticulado das nuvens. Um dia intenso.

Nenhum comentário: