Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


domingo, 9 de março de 2014

chove...

CANTIGAS ESQUECIDAS – III
Paul Verlaine

Chora no meu coração
Como chove na cidade;
Qual será tal lassidão
Entrando em meu coração?

Ó doce rumor da chuva
Pela terra e sobre os tetos!
Coração que se enviúva,
Ó, a cantiga da chuva!

Chora sem qualquer razão
No coração que se enfada,
Pois! Nenhuma traição?…
Este luto é sem razão.

É bem certo a pior dor
A de não saber por quê
Sem amor e sem rancor
Coração tem tanta dor!

Tradução José Lino Grünewald. Disponível aqui.


Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva
Não faz ruído senão com sossego.
Chove. O céu dorme. Quando a alma é viúva
Do que não sabe, o sentimento é cego.
Chove. Meu ser (quem sou) renego...

Tão calma é a chuva que se solta no ar
(Nem parece de nuvens) que parece
Que não é chuva, mas um sussurrar
Que de si mesmo, ao sussurrar, se esquece.
Chove. Nada apetece...

Não paira vento, não há céu que eu sinta.
Chove longínqua e indistintamente,
Como uma coisa certa que nos minta,
Como um grande desejo que nos mente.
Chove. Nada em mim sente...

Fernando Pessoa. Poesia 1931-1935. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p.199-200.

2 comentários:

Jamil P. disse...

que coincidência, você no mesmo dia transcreveu a poesia de dois dos meus poetas franceses favoritos, ainda que traduzidos;
não me lembrava desses versos do pessoa, também bonitos...

Mariana disse...

Oi, Jamil, fiquei imaginando dia desses como seria o mundo se fosse permitido um pouquinho mais de sensibilidade poética às pessoas, homens e mulheres; que revolução estupenda.

Esses versos do Pessoa me acompanham já faz um tempo, mais bonitos que os franceses que postei. A maneira como ele representa o que sente (ou não sente) mediante a chuva para mim é única. Tenho certo receio em me arriscar, aqui, em elucubrações teóricas. Penso, sobretudo, nesse texto do Gottfried Benn, "Problemas da lírica":

http://blogs.saocamilo-es.br/letras/files/2011/04/BENNGot.pdf