Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


quinta-feira, 28 de abril de 2011

Bob Dylan: Desolation Row (Grateful Dead)

Letra aqui: "And fishermen hold flowers / Between the windows of the sea"

3 comentários:

Igor K Marques disse...

Mais duas fortes afinidades; Grateful Dead & Bob Dylan... grande satisfação de reencontrá-los em sua bela sequência de posts; Guimarães Rosa, Andrei Tarkovski, também são fortes convergências...igualmente nauseado com o ambiente de mórbida presença de um reacionárismo rançoso, pairando sobre o país.
Muito grato, Mariana, pelo estímulo de seu sensível e lúcido olhar-leitura sobre meus desenhospoemas. Aqui vai o link da republicação de "falando sobre o que ainda não quer calar". Grato de novo. Abraços.
http://www.tabletesculturais.com.br/index.php?option=com_content&view=category&layout=blog&id=50&Itemid=69

Mariana disse...

Prezado Igor: muito obrigada, pela republicação, pelo link, pelos elogios aos posts.

Os criadores / artistas são a respiração de nossa sensibilidade, é difícil passar sem eles, sem a arte, a música, o cinema, a literatura...

Quanto ao seu poema, deixei lá algumas impressões rápidas que tentaram traduzir não só o enigma da imagem como dos versos. Achei muito bonito isso:

"hibernar
o viver vegetativo
ao longo de anos
décadas
crônico estado hipnótico
sonâmbulo deambular
letárgico sobreviver
alternados
com raros
escassos momentos
de escuta clara
e nítida visão"

Uma forma de acordar da letargia.

Abraços!

Mariana disse...

P.S. esqueci de anotar que "o ambiente de mórbida presença de um reacionárismo rançoso, pairando sobre o país" é bastante inquietante, e nauseante, como você diz.

Resistir, da forma que cada um puder.