Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


segunda-feira, 30 de abril de 2012

a palavra-escrita

Escrever é um ato solitário, impermutável, intransferível. Escreve-se com o corpo, com as mãos, dobrando cada palavra ao gesto de querer simplesmente marcar, sulcar um veio no terreno de que a trama dos sentidos emana. Retomo o comentário da Helena a propósito do poema de Ana Hatherly: Pois é isso mesmo que a palavra é: um gesto arcaico!“A palavra-escrita/ é um labor arcaico:/ sulca enigmas/ venda e desvenda/ o sentido do gesto” ― A palavra-escrita torna-se um novo substantivo: não é apenas a palavra escrita, é a palavra tornada escrita, quase obrigada a sulcar enigmas, traçar linhas numa folha como o tempo traça rugas na face. É a escrita que arranca a palavra de seu estado de dicionário para obrigá-la a ser o que afinal justifica sua existência, da palavra-escrita: gesto que liberta a garganta das constrições do tempo, que impõe bem mais que rugas à face. 

Um comentário:

Helena disse...

É assim mesmo que sinto a escrita, mariana.
Mesmo quando já não me faz doer o pulso de uma posição menos correta, ou muito demorada, da mão sobre o papel. Mesmo quando já não haja papel.
A palavra escrita continua a ser um gesto antigo com que se marca, laboriosamente, o sulco no terreno que pisamos.
Minuciosamente escolhida, trabalhada, modificada.
E dói. Muitas vezes. Mas é uma dor que liberta.

Beijo de 1º de maio.
(aqui é quase verão, aí quase inverno, ao contrário de uma canção de um dos nossos cantores - Sérgio Godinho - com um poema lindíssimo sobre as senhoras de luto por homens que para aí emigravam:
http://www.youtube.com/watch?v=QGhgrFa4oSA