Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


sábado, 7 de setembro de 2013

deserção suave

Generalizar sobre o ser humano, elaborando abstrações, não me interessa ou diz respeito. Precisei de uma semana para apreender a inversão dos parâmetros contemporâneos que se opera em “A Pele que Habito”, um Almodóvar trágico. De mim sei o que posso saber hoje, e o que posso saber a cada instância da linha descontínua da existência parece sofrer das irregularidades do terreno. O que posso saber de mim hoje mostra (a mim) alguém diferente de quem já me supus ou acreditei em outras paragens, ainda que aparentemente sob a mesma pele. O que mais me espanta é como algumas pessoas — e aqui traio a intenção de não generalização — conseguem estar sempre iguais, operação que parece demandar um esforço admirável de acomodação. Vejo a pele que habito envelhecendo aos poucos, enquanto o ser que espreita sob ela... é... é o que o cotidiano permite, o que as energias de hoje permitem. Eu preciso agradecer aos amigos, os poucos que o abraço de hoje consegue abrigar, por não desistirem de mim, apesar do (tão) pouco que tenho conseguido fazer ou oferecer. E preciso também reconhecer que tenho me obrigado a estar mais presente. Nenhum clichê de amizade, apenas uma deserção suave dos lugares comuns.

2 comentários:

Luiz disse...

Texto lindo, pra variar. =D

Mariana disse...

:)