Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

ficções sociais

Prefiro as pessoas que mentem bem (não necessariamente as que mentem) ― às vezes tão bem, mas tão bem, que nem chego a perceber. Vício adquirido ao frequentar a boa literatura; além do mais, estão me dando a chance de aprender, para quando precisar.  

3 comentários:

Jamil P. disse...

Humm, quer dizer que prefere a gente nariguda?

Mariana disse...

nada disso, até porque pinóquios são inocentes perto do que gente graúda faz.

Jamil P. disse...

é verdade, e por isso só se dava mal, pobre pinóquio.