Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

último post antes de sair de viagem

Será uma semana diferente, sem acesso à internet, sem telefone celular, sem o dia a dia do blog. Mas Cortázar vai junto: “Creio que sei olhar, se é que sei alguma coisa, e que todo olhar goteja falsidade, porque é o que nos arremessa mais para fora de nós, sem a menor garantia.” (As babas do diabo.___. As armas secretas. Trad. Eric Nepomuceno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010, p.74.)

Um comentário:

Menina no Sotão disse...

Mariana, bom tarde.
Eu tive isso nos últimos dias, sem net, telefone, computador. Apenas os livros. Li a "elegancia do ouriço" e Paul Auster e seus cadernos vermelhos. Foi bom, me senti renovada e mais interessada pelas coisas do mundo real. Mas São Paulo já está voltando ao seu ritmo habitual de carros e passos e eu também vou voltando para dentro. Cá dentro faz menos barulho e os arrulhos são apenas objetos meus. rs

bacio e bom descanso