Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Dora Ferreira da Silva

VIDA

Às vezes paro
outras cultivo o jardim:
a mão escolhe ou esquece
mas o espinho sempre fere
as palmas vulneráveis.
Esqueço o nome das flores
   das ruas
(lembrando seu perfil preciso)
e varro de manhã as folhas secas.
Amo os livros e a eles me dou
no banco sob a árvore: para sempre
lembrança de vida e vozes nos canteiros.

Dora Ferreira da Silva. Poesia reunida. Rio de Janeiro: Topbooks, 1999, p.166.

2 comentários:

antonio cabrita disse...

mariana, gostava muito que a moça alta, já não tão magra, lida, lesse o meu romance que saiu agora no brasil. podia enviar-me o seu endereço para o mail cabrita96323@gmail.com para eu enviar para o meu editor de s.paulo? cabrita

Mariana disse...

claro que sim! obrigada!