Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

inusitado

Ontem à tarde reinava um silêncio diferente de um domingo habitual, uma espécie de ressaca coletiva da noite de Natal. Uma placidez muito grande tomava conta do ar. Foi quando distingui um som meio distante, mas perfeitamente reconhecível, pérola daquele silêncio todo: owner of a lonely heart... 

Nenhum comentário: