Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


sábado, 21 de abril de 2012

Paulo Leminski: já começo a ficar cheio de não saber quando eu falto...

SUJEITO INDIRETO

      Quem dera eu achasse um jeito
de fazer tudo perfeito,
      feito a coisa fosse o projeto
e tudo já nascesse satisfeito.
      Quem dera eu visse o outro lado,
o lado de lá, lado meio,
      onde o triângulo é quadrado
e o torto parece direito.
      Quem dera um angulo reto.
Já começo a ficar cheio
      de não saber quando eu falto,
de ser, mim, indireto sujeito.

Paulo Leminski. Distraídos venceremos. São Paulo: Brasiliense, 1987. Livro disponível aqui.

Nenhum comentário: