Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


domingo, 30 de outubro de 2011

Alexei Bueno: a força da poesia arrancada à palavra

ESPÓLIO

Que guardaremos disso tudo? A gema
Inconcebível entre o horror e o encanto,
Ou o ancestral silêncio, ou o ágil canto
     Que o tem por tema?

A úmida muralha morna e turva
Com que a dor nos estreita, o fim cinzento
Do dia, a rosa, o raio, ou, numa curva
     De um sonho, o vento?

BUENO, Alexei. Em sonho. Poesia reunida. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2003, p.406.

6 comentários:

Helena disse...

Gostei deste Alexei Bueno que desconhecia por completo. Vou procurar mais.

Mariana disse...

Helena, é um poeta com uma dicção bem própria, uma poesia que me agrada pelo voo. O Alexei andou entrando em polêmicas várias recentemente, e exaltou ânimos. Não acompanhei, por falta de tempo e disposição, e também porque é preciso uma boa dose de coragem para não sair chamuscado dessas disputas. Mas sua poesia tornou-se-me imprescindível.

Caso seja do seu interesse, podemos pensar numa possibilidade de envio, caso não o encontre aí. Abraço.

Helena disse...

Vou procurar. Se não encontrar, troco por uma Ana Hatherly :)

Combinado?

Mariana disse...

Combinado, Helena! Adoro essas possibilidades.

Abraço.

Helena disse...

Mariana, não encontrei nada aqui publicado. Manda-me teu endereço que eu envio-te a "minha moeda de troca" - Ana Hatherly, ficando a aguardar a tua disponibilidade para me enviares, para a minha morada, algo deste poeta.
Vamos estreitar este abraço intercontinental!

Usa o mail: ferlaphelena@gmail.com

Beijo

Mariana disse...

Prezada Helena, acabo de te enviar um e-mail. Não sei se ele se detém sobre o Atlântico ou segue instantaneamente...

Fico no aguardo.

Outro beijo :)