Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

o homem sem qualidades


O calhamaço chegou. Agora é arregaçar as mangas e encarar. Quando dei por mim, este livro constava como não disponível nas livrarias confiáveis que frequento, e na estante virtual os livreiros exorbitaram. Resolvi checar na Galileu, e não só encontrei o livro como o preço estava bem mais em conta. 

4 comentários:

Jamil P. disse...

legal! ele não é muito conhecido por aqui. Um amigo, professor de literatura na Alemanha, abordou-o em sua tese de doutorado http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8151/tde-09102007-140707/pt-br.php

boa leitura! : )

Mariana disse...

Jamil, obrigada. O livro é imenso. Estou aguardando o encerramento das atividades letivas (provas, correção, compromissos na escola...) para poder começar a leitura. Não faço ideia do que me espera: é uma leitura há muito agendada, assim como "Moby Dick", do Melville, e "O arco-íris da gravidade", de Thomas Pynchon.

Jamil P. disse...

não tem umas figuras ou a letra é grande pelo menos...? rs

em geral minha paciência para leitura é inversamente proporcional ao tamanho do romance... meu tempo é escasso e eu sempre penso nos autores excelentes que estão aqui me esperando e que eu teria de deixar de lado para ler uma obra de maior fôlego... como não sou professor nem nada, me permito esse defeito.

Mariana disse...

Jamil, sem figuras e a letra é miúda... Tenho um pouco isso, mas só um pouco. Senão, não teria lido Memórias do cárcere, por exemplo.

Estou lendo este livro por vontade mesmo, me parece desafiador. Vamos ver o que acontece. Além do mais, o título é muito atrativo.