Gosto de imaginar que ilhas significam-se ― fazem-se dizer por signos ― mediante barcos que se aventuram nas águas que as separam, mas também as unem: as águas podem ser oceânicas ou simples veredas, salgadas ou doces, profundas, turbulentas e mais difíceis de navegar, ou arroios cristalinos que escorrem transparentes entre pedras e vegetação de grande frescor. Os barcos, as palavras. E tudo o mais que diz respeito à palavra afeto, no sentido de afetar, atravessar. Escrever e ler são pontas de ilhas que se fazem significar ― os trajetos dependem dos barcos, das ilhas, das águas que as separam. Este blog não pretende nada, exceto lançar barcos que eventualmente alcancem outras ilhas. Barquinhos de papel.


quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Genesis - The Grand Parade Of Lifeless Packaging

Um post do Zé Alberto trouxe-me à lembrança o fantástico álbum conceitual do Genesis, The Lamb Lies Down on Broadway, de que destaco essa música.

2 comentários:

Zé alberto disse...

Muito eu gosto desta música, e acho curiosa a associação que, inconscientemente faço, sempre que oiço a letra e a voz do Peter Gabriel nesta musica.
A propósito disso, acabei por criar um post lá na "ilha", a reportar o caso :)

Mariana disse...

Eu vi, já passei lá, li e comentei: não sei se o que eu disse calha com o seu post, mas calha com algumas coisas que presencio. Essa música é demais!!!